Página de provas internacionais
Últimas actualizações:

Campeonatos do Mundo

Federações Europeias

Época 2017

Terminaram em Lyon os Campeonatos do Mundo, Bermuda Bowl, Venice Cup e Seniores Cup. Assistimos a um grande espectáculo de bridge. Na final Open, França e EUA2 jogaram 8 segmentos de 16 mãos, com sucessivas alternâncias no comando. No final os EUA2 asseguraram a vitória com 2 Imp's de vantagem. A Bulgária terminou na 3 ª posição. Na Venice foi mais notória a vantagem da China sobre a Inglaterra. Nos Seniores, também com incerteza até ao fim, os EUA2 derrotaram a Itália. No Transnacional as expectativas em ter jogadores portugueses nos quartos-de-final foram goradas. No entanto realce-se o 18º lugar de António Palma na equipa Ventin, 0 25º lugar do par Maria João Lara - Manuel Capucho, que integravam a equipa Riehm e o 26º lugar da equipa capitaneada por Sofia Pessoa , entre as 112 formações em competição. Toda a informação em

Terminaram os 26º Campeonatos Europeus para jovens, divididos em 3 escalões etários: menos de 26 anos, menos de 21 anos e menos de 16 ano. No escalão menos de 26 participou uma equipa portuguesa constituída por Carolina Pimenta, Marta Brochado, Francisco Pereira Coutinho, José Nuno Moraes e Luis Corte-Real.
João Faria
é o seleccionador nacional e capitão não jogador, a quem o bridge nacional deve o reconhecimento pelos muitos anos de dedicação ao bridge jovem.
A Suécia ganhou na categoria menos de 26 anos, seguida por França e Polónia, prova em que participou Portugal que terminou em 25º lugar entre os 27 participantes. No escalão de menos de 21 anos vitória para a Suécia, com Israel e Inglaterra nos restantes lugares do pódio. Finalmente no escalão de menos de 16 anos a Polónia arrecadou o título com Israel e França nos restantes lugares do pódio. Confira todos os resultados por este
link.

Terminaram os VIII Campeonatos Europeus Open em Montecatini (Itália) onde participaram vários jogadores portugueses. A nota de destaque vai para as deploráveis condições que os praticantes foram obrigados a enfrentar: uma tenda no meio de um campo situado em lugar nenhum, com um campo de tiro anexo, com os praticantes sentados em cadeiras de plástico que se foram partindo ao longo da competição, sem quaisquer condições logísticas. Aos responsáveis da EBL há que dizer que é preciso ter vergonha. É sabido o elevado retorno financeiro que a EBL garante nestes eventos, tornando as competições internacionais num chorudo negócio. Espera-se que as federações nacionais façam chegar à EBL um protesto formal e que se exija respeito. Que seja do conhecimento público, não existiu por parte da EBL qualquer pedido de desculpas pelo ocorrido, o que é ainda mais lamentável. Toda a informação desportiva sobre o evento em